O papel da educação

Há alguns anos, o então primeiro-ministro do Japão Takeo Fukuda,interrogado por um jornalista estrangeiro sobre as principais causas da veloz reconstrução da economia de seu país devastado na segunda guerra mundial,apontou em primeiro lugar a educação como principal responsável,”não há exagero em afirmar que essa nação é hoje a mais instruída e mais bem educada de nosso planeta”,há cerca de 120 anos foi introduzido ali o ensino obrigatório,que na atualidade alcança 100% das crianças até 15 anos (6 anos no primário mais 3 anos do primeiro ciclo secundário)

Em 1945 havia 40 universidades no país, hoje são 474, o moderno sistema nacional da educação teve início em 1872, quando o governo criou uma rede de escolas de primeiro e segundo graus por todo o país, a partir de 1886, cada criança deveria freqüentar a escola primária por três ou quatro anos.Em 1900 a educação compulsória tornou-se gratuita, e em 1908 sua duração se ampliou para seis anos, depois da segunda guerra mundial se estendeu há nove anos, em 1947 foram aprovados duas novas leis sobre a educação.Diferentemente do ensino anterior pretendiam que sem ensinasse a pensar e não como pensar.Em Maio de 1986,76% das crianças estavam matriculadas em jardins de infância, 73% dos estudantes universitários matriculados em instituições privadas assim como 28% de todos os alunos do segundo ciclo de ensino de segundo grau, no mesmo ano, 15 mil estrangeiros estudavam no Japão, dos quais 85% oriundos de paises asiáticos.

A folha educacional do estudante (currículos) é fator importantíssimo quanto se vai ingressar no mercado de trabalho, para obter emprego em uma companhia importante é preciso ser formado por uma universidade igualmente importante. Em 1984, foi instituído o conselho nacional de reforma educacional, como órgão consultivo do primeiro-ministro, para encaminhar essas e outras questões. Em 1987, o conselho apresentou algumas recomendações, baseadas no respeito à individualidade, na necessidade de promover um sistema vitalício de educação, de responder à internacionalização da sociedade japonesa e a revolução da informática, nesse mesmo ano havia no Japão 27,3 milhões de estudantes matriculados em 65.917 escolas públicas e particulares de todos os níveis, quase dois milhões nas universidades Uma observação: Se um país bombardeado, arrasado, consegue em 120 anos, através da educação, tornar-se a segunda maior economia do mundo,o Brasil com 504 anos não achou o caminho ainda,lá eles ensinam os alunos a pensar e não como pensar,aqui,quanto maior a ignorância e o despreparo melhor para os governantes conduzirem a massa,é triste constatar o descaso com que a educação é tratada no Brasil ,nós vivemos isto.

Por Eric Elias Guimarães – 2004

Educação no Brasil, O que está havendo?

O nosso amado país nunca teve um histórico brilhante no seu sistema educacional.As primeiras instituições do saber surgiram com um atraso de quase mil anos em relação ao resto do mundo.Una isso com aquela cultura estereotipada que o brasileiro é um povo que não gosta de estudar/trabalhar, que somos incultos e você terá problemas sérios na estrutura educacional do país relacionado com uma visão preconceituosa das elites intelectualizadas.

O ensino público, que no passado era lar das mentes mais esforçadas, encontra-se numa situação deplorável, tanto fisicamente quanto em termos de conteúdo e compromisso com o objetivo maior da educação: formar cidadãos conscientes e úteis à sociedade.Os professores recebem mal e o aluno de escola pública sofre com todas as limitações.O resultado é que poucos entram no ensino superior, e mesmo tendo concluído o ensino médio, não possuem base alguma.

Acredito que dessa realidade a maioria está ciente.Mas o que se pode fazer para mudar essa situação?Investimentos por parte do Estado?Óbvio.Mas podemos ir, além disso: uma verdadeira reforma deve ser feita em todo sistema educacional no país e logo.Algumas sugestões (para o público e particular):

1)Acabar com o vestibular.Essa forma ultrapassada de selecionar alunos banalizou o ensino médio, transformando os aprendizes em meros decoradores condicionados.Tenho certeza que pressão+pressa não é igual a conhecimento formado, mas fórmulas cuspidas.

2) Modificar aquela idéia antiquada e rígida da sala de aula: alunos em filas, escutando o que o professor tem a dizer, colocando o mesmo numa posição de “eu falo e vocês escutam”, o Brasil tá no século XXI, xô ditadura militar!Um formato de debate ao invés de meros ouvintes mudaria a maneira como o estudante vê o mundo.Ele não receberia conhecimento, ele produziria, ele geraria polêmica, enfim ele pensaria.E esse deveria ser o maior objetivo da educação, formar pessoas críticas e multidisciplinares.

3)Exercitar aulas práticas de verdade, com laboratórios, visitas a instituições, museus e etc. O que se aprende está do lado de fora também, não é algo inexistente.É importante sustentar a idéia de que tudo está no nosso cotidiano.

4)Acabar com o sistema de notas.Acaba rotulando o aluno com um número.Processos avaliativos mais eficientes e individuais, em que o professor acompanhe todo o processo de aprendizado de cada aluno.Nada de quilos de matéria, melhor aprender BEM uma matéria do que decorar meia tonelada.É preciso construir conhecimento sólido.

E etc, porque existem várias maneiras de melhorar o ensino.Tudo depende de investimento, vontade e criatividade.E isso vale para aqueles que vivem falando “Ah precisa melhorar a educação, Governo, invista já!”.Não é só uma questão de dinheiro.Não é somente de cadeiras e lousas que as escolas precisam, só não se pode negar que a participação do Estado é importante nesse lento processo.

Por Caroline



BlogBlogs.Com.Br

Anúncios

2 pensamentos sobre “O papel da educação

  1. Jorge Alberto disse:

    “Alemanha do pós-guerra e o Japão que levou duas bombas atômicas sobre a cabeça e, em momento algum descuidaram da Educação como um dos fatores para seus reerguimentos. Sim, eu não estou esquecendo que houve enormes aportes financeiros através de planos econômicos patrocinados pelos Estados Unidos. O que estou tentando dizer é que estes países e outros que pensam a Educação como investimento são os que estão no topo e são países desenvolvidos. E é isto que eu quero para o Brasil. Que sejamos um país de primeiro mundo, mas que antes de pertencer a este primeiro mundo, consigamos levar nossa Educação a patamares tão elevados quanto.”

  2. Oi kago! Realmente o blog ta bem melhor! ja me recomendaram o wordpress, mas nao tive tempo, aqui na nz, de trocar. Uma sugestao, deixa uma mensagem mais evidente no antigo blog, dizendo que mudou, porque eu to entrando la ha um tempao, e so hoje percebi que tinhas mudado… hahaha, talvez eu que seja muito leza mesmo, nao sei.. hahahaha. Vai apredendendo ai a mexer, pra tu me ajudares depois… :X hahaha.
    Te admiro muito, Carol, escreves muito bem… Teu blog vai ser famoso daqui ha algum tempo! Tenho que mudar o link no meu blog. Beijao.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: